O que há para ler…

Sobre a Biblioteca de Alexandria.

Biblioteca de Alexandria, de Derek Adie Flower – edição mais antiga.

Biblioteca de Alexandria: as histórias da maior biblioteca da antiguidade.

A Biblioteca de Alexandria foi o mais importante epicentro do saber que o mundo antigo conheceu. Derek Adie Flower apresenta aqui as histórias desta que foi a mãe das bibliotecas, por onde passaram os mais célebres pensadores da Antiguidade. Pequenas narrativas traçam a trajetória de homens e mulheres que contribuíram para o engrandecimento da ciência e da cultura ocidentais, ao participarem da construção daquele riquíssimo acervo. São personagens como Ptolomeu Sóter, Cleópatra, Cláudio Ptolomeu, Arquimedes e Hipácia que, no papel de idealizadores, patrocinadores ou pesquisadores, fizeram da Biblioteca de Alexandria um núcleo propagador de sabedoria antiga. O autor narra, ainda, episódios importantes da história de Alexandria, como a fundação da cidade por Alexandre Magno, a construção do Farol de Faro, o grande incêndio causado por Júlio César e a ocupação de Alexandria pelos árabes, responsáveis pela destruição dos últimos vestígios do magnífico monumento. Hoje, o monumental projeto de uma nova biblioteca para Alexandria – a Biblioteca Alexandrina – tenta resgatar a tradição da grande Biblioteca, o maior símbolo do conhecimento da nossa civilização.

Fonte: https://www.amazon.com.br/Biblioteca-Alexandria

A biblioteca de Alexandria foi o mais importante epicentro do saber que o mundo antigo conheceu. Neste livro, o autor compõe um amplo painel histórico sobre Alexandria, narrando episódios como a fundação da cidade, a construção do Farol, a desastrosa manobra tática de Júlio César – que incendiaria grande parte da Biblioteca –, as perseguições religiosas do século 3 d.C. e a ocupação árabe em 642 D.C., que deu fim ao que restou deste grande centro de sabedoria.

Fonte: https://www.estantevirtual.com.br/livros/derek-adie-flower/biblioteca-de-alexandria/

Capa da versão original do livro Biblioteca de Alexandria, de Flower.
Bibliotecas no mundo antigo, de Lionel Casson.

Esta deliciosa obra conta a história das bibliotecas antigas desde suas origens, quando “livros” eram tábuas de cerâmica e a escrita, um fenômeno novo.

O renomado estudioso clássico Lionel Casson nos conduz em uma animada viagem, partindo das bibliotecas reais do Antigo Oriente, passando pelas bibliotecas públicas e privadas da Grécia e de Roma, até as primeiras bibliotecas monásticas cristãs.

Casson traça o desenvolvimento das construções, os sistemas, acervos e patronos das bibliotecas, considerando questões de uma ampla variedade de tópicos, como: quem contribuiu para o desenvolvimento das bibliotecas públicas, especialmente a grande Biblioteca de Alexandria? O que as bibliotecas antigas incluíam em seu acervo? Como bibliotecas antigas adquiriam livros? Qual era a natureza das publicações no mundo greco-romano? Como o cristianismo transformou a natureza dos acervos bibliotecários?

Assim como uma biblioteca recompensa quem a explora com tesouros inesperados, este interessante livro oferece a seus leitores a história surpreendente da ascensão e do desenvolvimento de bibliotecas antigas – uma história fascinante que nunca foi contada antes.

Fonte: https://www.amazon.com.br/Bibliotecas-Mundo-Antigo-Lionel-Casson

A biblioteca perdida, de A. M. Dean.

Emily Wess está prestes a ver sua vida mudar drasticamente. Numa hora, ela é uma pacata professora de história, sonhando com grandes descobertas e uma vida de aventuras ao melhor estilo Indiana Jones, seu herói da infância. Na outra, está embarcando em uma viagem ao redor do mundo, atrás de pistas deixadas por seu mentor, Arno Holmstrand. Pistas estas que a levarão a uma descoberta que não se igualava a nenhuma outra que ela pudesse imaginar – a localização da biblioteca perdida de Alexandria. Durante sete séculos, ela abrigou o maior patrimônio cultural e científico de toda a Antiguidade. O mundo julgava esse tesouro perdido, mas as evidências levam Emily a questionar a história. Agora, ela inicia uma corrida contra o tempo para impedir que o paradeiro da Biblioteca caia nas mãos erradas.

Fonte: https://www.estantevirtual.com.br/livros/a-m-dean/a-biblioteca-perdida/

O elo de Alexandria, de Steve Berry.

Em “O elo de Alexandria, Cotton Malone se aposentou do mundo arriscado dos agentes de elite do Departamento de Estado dos EUA para levar a vida discreta de vendedor de livros raros. Mas sua existência calma é despedaçada quando recebe um e-mail anônimo: “Você tem uma coisa que eu quero. É a única pessoa na terra que sabe onde encontrá-la. Vá pegá-la. Você tem 72 horas. Se eu não tiver notícias suas, você ficará sem filho”. Sua horrorizada ex-mulher confirma que a ameaça é real: o filho adolescente foi seqüestrado. Quando a livraria de Malone em Copenhague é totalmente incendiada, torna-se claro que os responsáveis não irão se deter diante de nada para obter o que desejam. E o que desejam é nada menos do que a biblioteca perdida de Alexandria. Seu enorme tesouro de sabedoria sempre cobiçado por estudiosos, caçadores de fortuna e pelos que acreditam que seus segredos não contados têm a chave para o poder definitivo.Agora um cartel de ricos magnatas internacionais, decididos a alterar o curso da história, está desesperado para penetrar nos salões abençoados da biblioteca ― e somente Malone possui a informação que eles necessitam para ter sucesso. Em jogo está um explosivo documento antigo, com potencial não somente para mudar o destino do Oriente Médio, mas também para abalar os alicerces das três maiores religiões do mundo.Perseguido por um mercenário assassino, Malone atravessa o globo em busca de respostas. Sua busca irá levá-lo à Inglaterra e a Portugal, até mesmo aos níveis mais elevados do governo americano ― e o resultado chocante, no fundo do deserto do Sinai, terá repercussões mundiais.

Fonte: https://www.amazon.com.br/elo-Alexandria-Steve-Berry

Alexandria: a cidade do pensamento ocidental, de Theodore Vettros.

Dentre as cidades do Mundo Antigo cuja simples menção suscita em nosso imaginário o esplendor de toda uma época, Alexandria ocupa uma posição singular. Fundada por Alexandre, o Grande, em 331 a.C., a cidade deslumbrava todos que avistavam, quer chegassem por terra ou por mar, de onde se podia avistar o farol mais famoso da Antiguidade, o de Faros, considerado uma das sete maravilhas do mundo. Alexandria tornou-se o principal centro intelectual do mundo helenístico e foi também palco de alguns dos acontecimentos mais espetaculares de todos os tempos, aos quais os nomes de Julio César, Cleópatra e Marco Antonio se ligaram para sempre.

Fonte: https://www.amazon.com.br/Alexandria-Cidade-do-Pensamento-Ocidental

Biblioteca de Alexandria: o enigma revelado, de Pablo Jevenois.

Pablo de Jevenois. Biblioteca de Alexandria: o enigma revelado. Lisboa: Editora Esquilo, 2009. 320 p.

O livro é essencial para compreender o contexto histórico do filme «Agora» – A Alexandria do século IV. Trata-se de uma obra de referência, a nível mundial, que narra toda a história da Biblioteca de Alexandria e o contexto histórico que levou às suas destruições, a última no século V, pelos cristãos. Este livro também prova que a destruição imputada aos muçulmanos foi uma foi o resultado de uma manipulação cristã.

É um autêntico livro de mistério, a solução a um enigma real alimentado durante séculos. Um livro de intrigas. O que aconteceu com a Grande Biblioteca de Alexandria? Porque é que desapareceu sem deixar rastro? Quem escondeu a sua memória? Nas suas páginas penetramos num labirinto que nos levará a re­cantos insuspeitos da História, habitados por escritores temerosos, intrigas políticas, falsários, assassinatos e condenações. Pu­xando por todos os fios, seguiremos as pistas que nos irão desvelar esse mistério milenar.

É, também, uma história inédita de Alexandria, naqueles séculos cru­ciais, em que na capital egípcia ocorreram as batalhas mais encarniçadas entre o Cristianismo triunfante e um mundo antigo que se desmoronava. Anos em que pe­receu quei­mado o santuário pagão de Serápis, bem como a sua Biblioteca Filha, cheia de tesouros.

No entanto, não deixa de ser uma história de livros. De incêndios, fo­guei­ras, censura. De fabulosas bibliotecas, de monges misteriosos, de filósofos e tradu­tores. De como a palavra escrita sobreviveu a todos os avatares, des­de que os reis Ptolomeus se dedicaram a arrecadar todos os livros do mundo e inventaram a pri­meira autêntica biblioteca, a Grande Biblioteca de Alexandria.

Fontes:

https://www.wook.pt/livro/biblioteca-de-alexandria-o-enigma-revelado-pablo-de-jevenois/3196074

http://www.esquilo.com/bib_alexandria.html

https://books.google.com.br/books

Publicidade